Pesquisar neste blog

quarta-feira, 6 de julho de 2016

filhoeternooufiliacaoeterna

“Filho Eterno” ou “Filiação Eterna”
Pesquisa e tradução
Diógenes Dornelles
 
  Estas citações foram extraídas dos sermões do irmão Branham:

Hebreus, Capítulo Cinco e Seis - 1ª Parte (8/09/1957; § 64) -  Deus não tinha três pessoas ali em cima e Ele enviou uma delas, Seu Filho; foi Deus, Ele Mesmo, veio na forma de um Filho. Um filho tem um princípio, e o Filho teve um princípio. Como algumas de vocês queridas pessoas católicas, eu tenho o seu livro, “Fatos da Nossa Fé”, que diz, “A filiação eterna de Deus...”. Como você expressará essa palavra? Como você fará com que ela tenha sentido? Como pode ser eterno? Agora, isso não é a Bíblia, isto é o seu Livro. “Filiação eterna, eles não... Essa palavra não está certa, pois qualquer coisa que é um filho teve um princípio, e eterno não tem princípio. Então isto não é uma filiação eterna. Cristo se tornou carne e habitou entre nós, Ele teve um princípio. Não foi nenhuma filiação eterna; é a Divindade eterna, não a filiação. Agora, Ele veio para nos redimir, e Ele nos redimiu.
  Atitude e Quem é Deus? (15/08/1950; § 15) -   E ali, naquele grande espaço onde ninguém pode medir em sua mente além disso, aquele espaço, eternidade. Esse é Jeová Deus. E fomos ensinados no princípio que o Logos, ou o Filho de Deus saiu de Deus. Agora, eu não creio em filiação eterna. É até mesmo radical mencionar tal coisa, “filiação eterna”. Como que... Ele teve uma filiação eterna...?... maneira, é até mesmo filiação eterna, como poderia Ele ser um Filho? Ele teve que ter um começo. Vê?
  Divindade Explicada (19/01/1961, § 27) -   É exatamente como o católico diz: “Filiação eterna”, a Filiação eterna de Cristo. Como pode a Palavra fazer sentido? Como pode Ele ser eterno e ser um filho? Filho, que nasceu de algo. Eterno não tinha princípio nem fim. Se... eles dizem que existe um inferno eterno, e a Bíblia diz que o inferno foi criado. Então como pode ser eterno? Não existe inferno eterno; o inferno foi criado para o diabo e seus anjos; não um inferno eterno. Tudo que começa, termina. O inferno pode queimar por cem bilhões de anos, mas ele tem que ter um fim, porque tudo que começa, termina. Essa é a razão que nós não podemos morrer, porque somos parte de Deus; das Suas primícias, filhos e filhas. Nós temos a vida eterna; a vida de Deus. Ela nunca começou, nunca acabará. Vê?
  Apocalipse Capítulo Um (4/12/1960, § 226-227) - Quero lhes perguntar, alguns de vocês, preciosas pessoas católicas, que chamam isso: “a eterna filiação de Deus. Deus, eterna filiação de Jesus Cristo com Deus”. Como podem dizer tal palavra? Eu sou iletrado, com instrução de terceiro ano, porém eu sei melhor do que isso. A palavra “Filho” tem que ter um começo. Assim, como Ele pode ser eterno e ser um Filho? Eternidade não tem princípio nem fim. Então Ele não pode ser um filho, um filho eterno, e então ter um princípio, porque não há tal coisa como um filho eterno. Um filho teve um princípio, assim Ele não pode ser eterno. Veja, Ele é o Deus eterno, não o filho eterno. Glória! O Deus Todo-Poderoso, Jeová-Jiré, Jeová-Rafá, manifestado em carne: “Nele habitou a plenitude da Divindade corporalmente”.
  Mostra-nos o Pai Que Será o Suficiente (10/06/1953, § 61- 62) - (...) a Bíblia diz que Deus estava em Cristo reconciliando o mundo Consigo mesmo. Isso é exatamente o que foi. Bem lá atrás, no começo... Vamos dar um pequeno passeio para ver Quem Ele era, e você pode descobrir se Deus estava em Seu Filho ou não. Vamos fechar nossos olhos como isto foi, e dar um passeio a cem milhões de anos antes que houvesse sequer uma estrela no céu; lá estava Deus. Deus estava lá então. E agora ao olhar lá no princípio eu vejo aquele grande espaço adiante. E então o Logos saiu de Deus, que era o – o Cristo, a unção que saiu. E agora ninguém... Estamos de pé sobre um corrimão observando a criação vir à existência, e ver se Ele estava em Seu Filho agora. E aí Ele aparece. Nada havia. E então aqui vem o Logos. Isso parecia como um halo suspenso adiante. Ninguém tem visto a Deus em qualquer tempo agora, olho no olho. E aqui está o Logos. Parece-se como um Ser sobrenatural. É um Halo. Esse é o Filho de Deus. Não a “Filiação eterna”, porque as palavras não andam bem juntas. Essa é a doutrina católica, mas... Eterno, como poderia ser um Filho e ser eterno? Se Ele é um Filho, Ele teria que ter um princípio de tempo. Eterno é para sempre. Vê? Assim “Filiação eterna”, não há de tal modo uma palavra para tornar isso lógico. Mas foi o Logos que saiu de Deus. E lá estava Ele brincando lá fora no espaço como uma criança perante a porta. Eu posso vê-Lo desenhar um quadro inteiro em Sua mente do Reino e o que ele pode ser.
  É Este o Sinal do Fim, Senhor? (30/12/1962, 249-251) - (...) “Filiação eterna”, tal como o dizem. Como pode Ele ser um Filho eterno, quando a eternidade nunca começou e nunca termina? E um filho é algo que é gerado. Como pode isto ter sentido? Como pode haver um inferno eterno, quando o inferno foi criado? Creio num inferno ardente. Certamente. A Bíblia assim o diz, mas isto é para destruir. A Bíblia diz: “Bem-aventurado o que não toma parte na segunda morte.” Vê? Veja, você não será destruído pela segunda morte. A primeira é física. A segunda é uma morte espiritual quando tudo está terminado. A alma que pecar, essa morrerá. Você será castigado por seus pecados, talvez por centenas de anos – milhares de anos, porém não pode haver um inferno eterno, porque a Bíblia disse que o inferno foi criado. Como pode ser criado e ser eterno? Se alguma vez houve... A Bíblia diz que o inferno foi criado para o diabo e seus anjos. Então, se ele foi criado não pode ser eterno; porque eterno... qualquer coisa eterna nunca teve um princípio ou teve um fim. Assim é como nunca poderemos morrer, porque nós sempre fomos. Somos parte de Deus, as primícias de Deus. E Ele é a única coisa eterna que há. Amém. Você não pode morrer assim como Deus não pode morrer, porque você é eterno com Ele.
Sedento Pela Vida ( ? ) - Assim... E o Logos, que foi o Filho de Deus saiu, criado por estas grandes fontes de pureza, Deus, quando aqueles Espíritos saíram, e criou o Logos. E era um corpo. Estava na forma do que nós estamos agora, que é chamado na maneira clerical de falar, uma teofania. É um corpo que não possui um espírito nele. É um corpo que está aguardando por vocês cristãos. Tão logo a vida sai deste, você entra naquele corpo. Quando este tabernáculo terreno se desfizer, nós já temos um esperando, uma teofania. Agora, quando Deus estava na teofania, que era Cristo na formação, então essa teofania se tornou carne e habitou entre nós. Então isso foi para redimir.
 
Perguntas e Respostas Sobre Hebreus Parte 2 (2/10/1957, § 82-83) - Ou, como tenho passado por isto, os católicos chamam Isto: “a eterna filiação de Deus.”... Como eu disse antes, a palavra nem mesmo faz sentido. Veja, não pode haver um filho eterno, porque um filho tem que ter um princípio. E então Jesus teve um princípio; Deus não teve nenhum princípio. Vêem? Mas o Filho era o... Não uma filiação eterna, mas o Filho que estava com o Pai no princípio era o Logos que saiu de Deus. E foi a Teofania de Deus que saiu. A forma humana que não tinha olhos como você vê; uma visão melhor. Não tinha ouvidos como você ouve, mas uma audição bem além. Vê? Isso era uma Teofania, até que todo este arco-íris condescendeu a uma – uma Teofania. Moisés O viu quando passou através da rocha assim. Ele viu parte das costas, disse: “Se parecia com um homem.”
  Chamando Jesus à Cena (4/08/1963, § 21)  - E quando vocês católicos dizem “filiação Eterna”, onde vocês conseguiram tal palavra? Ela não faz sentido para mim. Como pode Ele ser eterno e ser um Filho? Um filho é algo que é gerado de algo. Como pode ser eterno? Eterno nunca começou; nunca termina, então como pode ser “filiação eterna”? Oh, que coisa. Se estas denominações não tem imaginado coisas, eu não sei o que elas tem. Não se admira as pessoas não poderem ter fé; elas não sabem o que tem na fé. Isso mesmo. O que nós precisamos é de uma boa volta à Bíblia à moda antiga. Isso mesmo. Exatamente correto. Isso mesmo.
  A Era da Igreja de Sardes (9/12/1960, § 59) - Diga-me: Pai é um nome? Quantos pais tem aqui? Levante sua mão. Qual de vocês é chamado Pai? Filhos? E humanos, que – isto é o que é. Não... Seu Nome não é Espírito Santo, isso é o que Isto é. Ele é o Espírito Santo. O Nome... O Espírito Santo não é um nome. O Espírito Santo é um título; Pai, Filho e Espírito Santo. Então veja aí, é simplesmente tão sem fundamento quanto a “filiação eterna”. Não há tal coisa como filiação eterna. Um filho é nascido de algo; eterno nunca nasceu.
  O Sinal de Sua Vinda (7/04/1962, § 54)  - Ele foi – Ele não é pólen de Maria. Isso choca sua idéia católica um milhão de milhas. Nada tinha a ver com Maria; Maria foi apenas uma incubadora. Isso é tudo. Ele nunca sequer a chamou “mãe”. Mostre-me uma vez que Ele a chamou “mãe”. Ele disse: “mulher”. Amém. Isso é tudo que ela foi, uma mulher que Deus usou (Isso mesmo), não deusa. “Mãe de Deus”, que coisa tola. Mãe de Deus? Quem pode dar – fazer Deus ter uma mãe? Então quem foi a mãe da mãe de Deus? Oh, que coisa. Fale sobre “filiação eterna”. Filho tem um começo. Eterno não pode começar, não pode iniciar. E aí... sempre tem sido. Como pode ser um filho eterno? Oh, que coisa. Como você... Sou um iletrado, e sei melhor do que isso. Seguro. Ele foi a expressa imagem de Deus, porque Ele era os pensamentos de Deus expressados pela Sua Palavra. Deus disse: “Haja”, e assim foi. Ele fez sombra sobre Maria. Ela O amamentou, é verdade. Certamente. Você está fazendo a mesma coisa esta noite, quando você O alimenta com o seu louvor e glória (Isso mesmo), conversa com Deus.
  A Ele Ouvi (25/01/57; § 21) - (...) Agora, no Antigo Testamento quando uma criança nascia e essa é uma boa medicina para vocês pentecostais. Observe, quando uma criança nascia automaticamente ele se tornava um filho porque ele nasceu. Um filho é “gerado de algo”. Isso é onde você povo católico...?... sobre “filiação eterna”. Como você pode explicar essa palavra? Como pode Ele ser eterno e ainda assim ser um filho? Um filho tem um começo. Tudo bem.
  A Palavra Que Se Tornou Carne – Viagem à Índia (3/10/1954, § 71-72)  - (...) “No princípio...” antes que houvesse um mundo, antes que houvesse uma estrela, antes que houvesse um sol, lua, qualquer outra coisa, antes que houvesse qualquer criação, isto é “No princípio”. Está certo? Agora, até onde podemos ir, é de volta ao princípio. E “No princípio, Deus era... No princípio era a Palavra, e a Palavra era Deus, e a Palavra estava com Deus. E a Palavra se fez carne e habitou entre nós”. Então, a Palavra era Jesus Cristo. Está certo? Então Quem estava... “No princípio era Jesus Cristo”. Então em nossos pensamentos católicos de “filiação eterna”, não poderia haver. Porque se Ele era o Filho de Deus, Ele teve que ter um princípio de tempo. Ele teve que ser “nascido de” para ser um Filho (Isso está certo?), se Ele era o Filho de Deus.
  Mostra-Nos o Pai (7/09/1957; § 96)  - Agora, meus pais e meus dois – antes eu era católico. Mas irmão, veja que não há muito de católico deixado em mim como os seres triunos. Isso mesmo. Sim, senhor. Eles acreditavam na “filiação eterna”, ou de que existe três seres individuais de fato: Deus o Pai, um homem velho com uma longa barba branca; Deus, o Filho, um homem de meia idade; e o Espírito Santo era como um garoto mascote. Não existem tais coisas. Há somente um Deus. E eu discordo com a organização pentecostal que chama a Unicidade como o seu dedo é um. Isso está errado. Absolutamente, está errado. Deus... Jesus não poderia ter sido o Seu próprio Pai, e se Deus é um Homem, então Jesus nasceu do desejo sexual e não do nascimento virginal. Isso estabelece a coisa toda. Vê? Se Ele é um como o seu dedo é um, então o que? Então Ele era o Seu próprio pai. Como que Ele poderia ter sido? Isso está errado. Ele tinha um Pai, Jesus teve.
  Sabedoria Contra Fé (1/04/1962, § 38) - E aqui está um pequeno pensamento para você: tudo que teve um começo tem um fim; mas estas são as coisas que não tiverem um começo, que não tem fim, as únicas coisas que são eternas. Portanto, eu gostaria de fazer a pergunta: como poderíamos sequer dar sentido para a palavra “filiação eterna” de Deus? Se Ele era um filho, Ele teve um começo. Se Ele era o “Filho eterno”, como poderia ser um filho e ser eterno? Porque filho é – é um produto de algo Mas se Ele era um... Ele era – não poderia ser um “Filho eterno”. Não há tal coisa: “Filho eterno” de Deus. Porque se Ele – se Ele nunca teve um princípio, então Ele não pode ser nada a não ser eterno. Mas se Ele era um Filho, Ele teve um princípio; então Ele não pode ser um “Filho eterno”. Era o Deus Eterno manifestado em um Filho (Uh-huh! Vê?) – o Deus Eterno, porque Deus é a única coisa que é eterna.
  Cristo Revelado Em Sua Própria Palavra (22/08/1965, § 53-54) -   Agora, Ele não é... O corpo é parte de Deus, de uma tal forma que é um Filho. Um Filho... Como o católico diz, “Filho eterno” (e todo o restante das igrejas), a palavra nem mesmo faz sentido. Vê? Ali não pode ser eterno e então ser um filho, porque um filho é algo que foi gerado de algo. E a palavra “eterno”... Ele não pode ser um... Ele pode ser um Filho, porém Ele não pode ser um Filho eterno. Não Senhor! Ele não pode ser um Filho Eterno. Agora, mas Ele é o Filho, de tal maneira que toda a Palavra que estava em Jeremias, em Moisés... E todas aquelas palavras, como Ele disse, “Elas falam de Mim”. Toda aquela verdadeira revelação da Palavra estava envolvida em um corpo humano, e Deus colocou carne ao Seu redor. Esta é a razão pela qual Ele foi chamado de “Filho”, a razão pela qual Ele se refere a “Pai”. Ora, isto é tão simples, se você simplesmente deixa que Deus coloque isto dentro de sua mente. Vê? Deus revelado em um corpo de carne (Observe) – revelado da carne – ou da Palavra para carne. Isto é São João 1:14: “E a Palavra se fez carne e habitou entre nós”.
 
Pesquisa e tradução
Diógenes Dornelles

http://diogenestraducoes.webnode.com.br/